SSGames - Servidores online de qualidade - Inscreva-se Ja! é entre para nossa comunidade! - Ouça nossa web radio -Veja nossas novidades - Participe dos nossos setores de jogos online - Parcerias aberta fale já com um administrador.

Citado no caso Odebrecht, Kuczynski é proibido de deixar o Peru por 18 meses

Compartilhe
avatar
Contente
--> Postador Avançado
--> Postador Avançado

Zello : SSGamers
Mensagens : 345
Moedas : 851
Data de inscrição : 19/02/2018
Idade : 17
Localização : Brasil/Sp

Citado no caso Odebrecht, Kuczynski é proibido de deixar o Peru por 18 meses

Mensagem por Contente em Sab 24 Mar 2018 - 17:09

Ex-presidente do Peru é citado em investigação de lavagem de dinheiro em escândalo que envolve a Odebrecht. Kuczynski renunciou ao cargo na quarta-feira passada.


O ex-presidente do Peru Pedro Pablo Kucyznski foi proibido pela Justiça neste sábado (24) de deixar o país por 18 meses. Kucyznski renunciou ao cargo de presidente do Peru na quarta-feira passada. A Presidência do Peru foi assumida por Martín Vizcarra.
O juiz Juan Carlos Sánchez tomou a decisão com base na investigação preliminar contra o ex-presidente, acusado de lavagem de dinheiro dentro do escândalo que envolve a Odebrecht.
O advogado de Kuczynski, César Nakazaki, disse na audiência que determinou a proibição que o ex-presidente aceitaria o pedido do promotor Hamilton Castro enquanto durarem as investigações preliminares do Ministério Público sobre o caso.
No entanto, o advogado reclamou durante a audiência que a casa de Kuczysnki estava sendo alvo de uma operação de busca e apreensão. A Justiça confirmou que agentes foram à residência do ex-presidente.
Kuczynksi é investigado por lavagem de dinheiro por causa dos contratos assinados por empresas ligadas a ele com a Odebrecht. Na época, o ex-presidente era ministro de Alejandro Toledo, que governou o Peru entre 2001 e 2006.


Vídeos


Kuczynski teria uma segunda moção de destituição contra sua administração julgada pelo Legislativo na quinta-feira passada (22). O pedido foi motivado por vídeos que o implicavam na compra de votos a seu favor na primeira votação.
Leia: Como a Odebrecht e vídeos sugerindo compra de votos levaram à queda do presidente do Peru
Em um dos vídeos, o congressista Kenji Fujimori, irmão de Keiko e aliado do governo depois que Kuczynski outorgou indulto ao seu pai, o ex-presidente Alberto Fujimori, comenta ao legislador Moisés Mamani, do partido opositor "Fuerza Popular" que quem votasse à favor da vacância do presidente teria as portas fechadas.
Em outra gravação, o funcionário do governo Freddy Aragón explica a Mamani que ele poderia ganhar muito dinheiro em projetos de infraestrutura se ficasse ao lado do oficialismo.

Nesta quarta, o presidente do Congresso, o fujimorista Luis Galarreta, anunciou um processo de acusação constitucional para suprimir o foro privilegiado de cinco congressistas que aparecem nos vídeos, entre eles Kenji Fujimori.

Moções de destituição


Em dezembro, o Congresso analisou uma primeira moção de destituição por denúncias de que a empreiteira brasileira Odebrecht havia pago propinas à empresa de consultoria de Kuczynski e rejeitado seu afastamento.
A oposição precisava de 87 votos a favor do impeachment para que Kuczynski deixasse o cargo, mas conseguiu apenas 78. Outros 19 congressistas votaram a favor de sua permanência, e 21 se abstiveram. Entre os que se abstiveram estão alguns congressistas de esquerda, críticos do governo e que haviam aprovado o debate de impeachment. Além disso, membros-chave do fujimorismo não apoiaram a saída de PPK.
A oposição passou a pressionar para que PPK deixe o cargo depois da denúncia de que a construtora brasileira Odebrecht pagou mais de US$ 782 mil a sua empresa de consultoria, a Westfield Capital, por consultorias entre 2004 e 2007, período em que Kuczynski era ministro no governo peruano.
Kuczynski sempre negou as acusações e disse que o processo foi baseado em uma mentira. Ele explicou que foi seu sócio, o chileno Gerardo Sepúlveda, quem assinou e geriu um contrato de assessoria financeira da Odebrecht e que ele nunca soube do mesmo porque levantou uma "muralha chinesa" para distanciar-se da atividade privada de sua companhia. A Odebrecht respaldou suas explicações, dizendo que
 os pagamentos foram legais e gerenciados com Sepúlveda.

Odebrecht no Peru


O caso Odebrecht, o maior escândalo de corrupção da América Latina, afeta quase todo o primeiro escalão da política do Peru pelas milionárias propinas pagas pela construtora entre 2005 e 2014 para obter grandes contratos em obras públicas, além de financiar as campanhas eleitorais dos principais candidatos.

Funcionários da Odebrecht admitiram na Justiça que a empresa também contribuiu em 2006 e 2011 para a campanha de vários políticos peruanos, incluindo Kuczynzki, um empresário de direita de 79 anos, bem como à chefe do Força Popular, Keiko Fujimori, filha do ex-presidente.



 Ei Convidado Veja o Regulamento Oficial do Fórum SSGames Brasil Click Aqui. 



Atenciosamente exCoordenador SSGamers Brasil

Respeite o Regulamento e os Usuários. 

 Evitem serem Punidos por não lerem o regulamento 

    Data/hora atual: Seg 20 Ago 2018 - 15:26

    Copyright © SSGamers 2011/2018 - DIREITOS RESERVADOS PARA COMUNIDADE SSGAMERS S.A.